8.18.2008

Esporte nacional nas olimpíadas é de dá pena

Para não dizer que não falei das flores!!


[Tudo bem, valeu assim mesmo pequena.]

Para os críticos de plantão.

Eu sou brasileira, não morro de vontade de sair desse país, sei o Hino Nacional, choro quando um atleta ganha qualquer coisa, já fiz aula de moral e cívica, me considero patriota e tal, mas preciso ser realista, nossos esportes nas olimpíadas são de dá pena, não digo vergonhoso e nem culpo governo (mania que todo brasileiro tem de achar que governo tem que apoiar tudo e que tudo é culpa do governo), eu diria que temos uma mentalidade de não ter foco em resultados e que somos muito emocionais.


O atleta brasileiro consegue passar por tudo, até as competições mais complicadas pra chegar lá e na hora certa de mostrar, eles não dão conta, principalmente se for mulher, mulheres brasileiras parecem que são 90% emoção e só 10% razão, tá, homens também, eu não entendo.

Eu vejo um problema muito sério nos atletas brasileiros de forma geral, já percebeu como somos emocionalmente abalados?não conseguimos encarar, desafiar, chegar e mostrar a todos que pode e que dá conta.
Falta confiança, falta força, falta preparo físico, falta quase tudo.

Uma medalha, 10 medalhas, (de bronze, que grandiosidade!!), não vai mudar muita coisa na minha vida mesmo...mas se um muda todo mundo muda.

Eu fico muito furiosa é com aqueles que querem uma olimpíada no Brasil, já chega os gastos que teremos com uma Copa.


Eu sou apaixonada pelos esportes individuais, não sei porque, parece que a felicidade e a dor estão mais presentes.


Eu ainda tenho alguma expectativa no voley e no futebol.

O que me irrita mais ainda é ver as pessoas contentes e dizendo que um 7º lugar ou estar entre os dez melhores é uma avanço.
Ok, protesto feito, agora eu só queria entender quando a tv passa ao vivo e quando é gravado.

Pára tudo:
Que negócio é esse de uma vara sumir?? e se isso fosse no Brasil? era só o que faltava mesmo!! porra uma vara daquele tamanho!! como isso some?

Beijos, gostaria de avisar que nessa semana só poderei dá atenção a todos, á noite.

9 comentários:

  1. Realmente, o primeiro evento das olimpíadas que consegui assistir mesmo foi o salto. Até postei sobre essa história da vara q sumiu, mas o Brasil foi fazer o quê lá?? Vergonha, né. Tenho acompanhado flashes e notícias que têm mostrado que os nossos atletas,que estavam ou pareciam tão preparados aqui, por causa da pressão, da platéia que agora é o mundo inteiro, ou sei lá porque, têm ficado inseguros, se intimidado e falhado. Estar entre os dez primeiros não quer dizer absolutamente nada em uma competição desse porte. Ou fica entre os três ou então esquece, não tenta se consolar ou consolar o país com essa história e deixar todo mundo conformado.

    ResponderExcluir
  2. Iara foi de dar pena ver a pataquada da organização da prova de salto com vara, pois a Fabiana tinha chances reais de ganhar uma medalha. Quanto a ginástica realmente houve uma evolução no esporte e o Oleg já tinha dito que as meninas não tinham chances de ganhar medalha, falta qualidade técnica para isso, precisa-se investir em escolinhas de base para formar novos atletas.
    A no atletismo é de dar pena as dificuldades que eles enfrentam , não me admira que algum consiga até ir para uma olimpíada, salvo poucas exceções.beijos

    ResponderExcluir
  3. Desculpe discorda de vc, mas a culpa do fiasco do Brasil na Olimpíadas é do Governo sim! No Brasil, não há políticas públicas de educação, infra-estrutura, saúde, cultura e ESPORTE. Não vou né longe, em Cuba, desde os oito anos de idade, já se trabalha o esporte de maneira séria. As grande potências olímpicas nem se fala! EUA, tem as ligas universitárias; China, a "criança descoberta" basicamente vira "servil" do Estado Chinês, só fazendo treinar e estudar, enfim... Mas falarei mais profundamente disso quarta-feira. As olímpiadas para nossos atletas é a medicância, prêmio de consolação que o COB dá a eles. Tem texto meu no O Arroto. Bjus.

    ResponderExcluir
  4. A questão do governo é discutivel. Eu, não me sinto representado por estes atletas.

    Eles estão lá por realização pessoal, por investimento do governo ou dos patrocinadores, e nada mudará se ganham ou se perdem.

    Só discordo na distribuição e contagem das medalhas. Para o volei deveria se contar todas as medalhas. Do Futebol. Se fosse assim, só do volei, teriamos quantas medalhas de ouro? E se, as duas seleções de futebol ganhassem, teriamos só ai 44 a 50 medalhas de ouro...

    Eu discordo!

    ResponderExcluir
  5. acho que não teno palavras pra descrever meu desapontamento com o esporte brasuca em geral....
    mlhor ficar calada!
    bjo
    *lala*

    ResponderExcluir
  6. Viviane Villas Bôas19 de ago de 2008 00:29:00

    Oi, Iarinha!!
    Vim aqui registrar minha presença mais uma vez.
    E digo que concordo com algumas coisas e com outras não.
    Quanto ao Governo, acho sim que deveria ter mais incentivo (há países que chegam a enviar atletas pré-adolescentes apenas para "sentirem como é o clima" olímpico! rs), enquanto a gde maioria dos nossos atletas já prontos vão praticamente "por si próprios". Mas é claro que não é só isso: é uma questão essencialmente cultural também. Pois se formos pensar só em "incentivo", quer esporte mais incentivado no Brasil do que o futebol? Então, o que diremos de verdadeiros fiascos de algumas Copas? De fato, falta garra, amor à camisa e preparo emocional tbém. ;-)
    Bjão pro vc!!
    ***Vivi.

    ResponderExcluir
  7. Iara, eu tenho dois judoquinhas federados em casa. Isso quer dizer que em campeonatos de judô mais sérios, valendo às vezes seletivas municipais, estaduais, nacionais, eles acabam sendo candidatos. Tudo depende deles e de nós, pais, que bancamos a conta. Eventualmente um atleta mais qualificado consegue o patrocínio de um clube grande, mas existe a pressão pelo resultado, o que, em se tratando de uma criança, e uma pressão muito grande que deveria estar sendo acompanhada de um psicólogo, o que nem sempre acontece. Muitas vezes acontece do atleta vir das camadas mais baixas, ser o melhor, conseguir o patrocinio do clube para as competições, mas ter que se virar na hora de ir da casa para o treino - nem sempre essa é distância é compatível com o seu bolso ou idade, e nem sempre ele vai ter uma pessoa disponível para o acompanhar. As nossas ginastas sofreram todas essas pressões - distância da família na idade em que mais precisavam, falta de patrocinio e pressão de um país que não se contenta com o 10o. lugar, ou com um erro.
    Precisamos sim de um preparo emocional, mas isso, começa dentro de casa - de nossa casa Brasil.

    ResponderExcluir
  8. É por essas e outras que já não gosto de esportes mesmo.
    O que me deixa Pu** da vida é quando falam: "Ahh, mas o time brasileiro ainda está treinando, isso serve de experiência".
    Pera aí, se vamos numa Olimpíada é pra ganhar e não pra treinar, se o fosse, deveriam ficar em casa mesmo e não gastar o nosso dinheiro.
    Ontem à noite foi o primeiro jogo das Olimpíadas que vi, e já sei que não verei nenhum outro.
    Tudo bem que a May e sua companheira são as melhores, mas é como você disse eles não tem um bom preparo psicológico, o que acaba fazendo burrice e errando em fundamentos básicos.

    Abraços Iara

    ResponderExcluir
  9. eu chorei com a medalha do Cielo

    ResponderExcluir

- Regra geral: Bom senso.
- Siga-me no twitter: @iarana.